quarta-feira, 27 de maio de 2009

Não gosto de futebol


Futebol? Não, obrigada. Não tenho saco de assistir 90 minutos de partida para ver o jogo acabar em 0 x 0. Tem coisa mais frustrante?

Sempre que me perguntam "Qual o time que você torce?" e ouvem a resposta "Nenhum" é uma confusão. Onde tem escrito que todo brasileiro é obrigado a gostar de futebol, samba e cerveja (a cerveja sim, adooooro)? Nunca gostei de futebol. Não torço para time nenhum e não condeno ninguém que goste. É uma paixão nacional e não tenho culpa por fazer parte da raríssima parte da população brasileira que não tem o futebol como fator determinante na vida. Assisto apenas a copa do mundo e assito com vontade. Gosto mesmo! Torço, brigo com juíz e todas essas coisas que fazem parte do universo. Mas só gosto porque é tudo muito mais organizado.

Tenho completo pavor de torcidas organizadas, não gosto da forma como gritam aqueles hinos (ou seja lá que nome que aquilo tem), não admito que bandidos se camuflem em torcidas para tulmutuar antes, durante e depois das partidas. Muita violência que sempre me assustou e sempre me afastou de estádios, fazendo com que eu não goste nem se quer de assistir pela televisão.

Sim, estou generalizando. Sei que muitas famílias vão aos estádios, sei que muita gente sempre vai e nunca sofreu nenhum tipo de problema. Sei de tudo isso. Mas não significa que eu queira me arriscar. Não significa que eu goste.

Acho o basquete e o voley simplesmente fascinantes! Se briga pela partida até o último minuto. Não tem nada mais bonito do que ver uma partida de basquete sendo definida nos últimos segundos do jogo. Vitória bonita, conquistada. Tenho completo horror desse formato em que em determinados jogos, fulano tem que ganhar de 3 x 0 para que conquiste algo. Entendo o raciocínio, sei que existem jogos de ida e volta... mas perde a competitividade. Perde o amor pelo jogo. Esse tipo de raciocínio me afasta da F1 também. Mesmo sendo a forma correta de levar um campeonato. Estou falando em assitir ao jogo.


Não gosto, nunca gostei e nem sei se um dia eu vou gostar. Nunca se sabe o dia de amanhã.

Podem me apedrejar...

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Vamos sacanear o amigo?

O tema do blorkutando dessa semana é ótimo! Falar sobre amizade! Não vou declarar amor nenhum aqui! A minha sinceridade será reinante! Juro!

Eu tenho um amigo que merece um post. Mas ele merece um post daqueles de dez parágrafos, para matar qualquer professor de redação do coração (Escuto até ele dizendo: O seu desenvolvimento deve ter em torno de três parágrafos!!!).

Ele é um completo mala. Já jurei não olhar mais na cara dele umas mil vezes. Já briguei com ele outras milhares e já odiei ele com todas as minha forças inúmeras outras vezes. A partir do momento em que duas pessoas sabem exatamente o que se passa na cabeça um do outro, pode ter certeza, é confusão na certa! Embola o meio de campo e para desfazer, vai ser muita água!

Ele é fuleiro, do tipo que marca, agita... e não vai. Ele não sabe guardar segredo. Espalhar fofoca é com ele mesmo. Inventa um boato como quem pisca os olhos. Não vale o chão que pisa e consegue me irritar profundamente sempre que me lembra como sou orgulhosa. E adora passar isso na minha cara. Se diverte mesmo. Isso por que não citei ainda que nosso gosto não é igual em absolutamente N-A-D-A! Acreditam?

Pra que diabos ele é meu melhor amigo? Essa é uma pergunta que nunca vou saber responder. Mas foi com ele que passei por todas as fases da minha vida. Nos conhecemos no colégio ainda no primário. Acho que com uns 10 anos!! Nos aproximamos de vez aos 14 ou 15 anos e de lá pra cá, temos passado por todo tipo de situação.

As melhores sempre envolvem a boa e velha bebedeira! Convenci ele a tomar um porre em uma festa de amigos e, de lá pra cá, nossa passatempo preferido tem sido esse. Não tenho coragem de contar todos os porres que já tomamos muito menos as situações em que envolveram eles, mas existe uma que marcou época.

Era Halloween. Eu com minha fantasia pronta e ele liga com a seguinte conversa:

Ele: Não tenho fantasia. Compra uma cueca daquelas de elefante em alguma sexy shop para eu ir?
Eu: Posso comprar um quepe de marinheiro tbm?
Ele: Hahaha. Pode.

Acabou que eu fui com meu namorado (eu não queria ir sozinha pra lá haha) e reservei uma cueca de elefante branco para ele ir buscar. Aí o vendedor pergunta:

Vendedor: Como é a pessoa que vem buscar?
Eu: É um moreno, grandão... (senti que dei a deixa para a imaginação dele, tarde demais...)
Vendedor: Aaaaa, tá certo (como cara de: ESSES-DOIS-VÃO-SE-DIVERTIR-COM-UM-NEGÃO)

Sái de lá mortinha.

Enfim, a festa foi Hilária! O Idiota não foi buscar a cueca lá e comprou uma cueca de cobra em outro canto. Todo mundo passou a noite mergulhando a cobra em copos de vodka, cerveja, vinho... acho que essa cueca dele deve feder até hoje!!!

No fim da festa a cobra estava caolha.

A foto está ruim, mas dá pra ver! ( Isso é o cabo da minha vassoura de bruxa, tá? Ele devia tá tentando voar)


segunda-feira, 18 de maio de 2009

Salário x Qualidade de vida


Essa tem sido uma pergunta bastante comum na minha vida de uns tempos para cá. Até que ponto se deve abrir mão de uma vida tranquila para ter um gratificação monetária no fim do mês? Vejo pessoas se matando de trabalhar para poder sustentar uma família, muitas vezes com ofícios penosos, deixando de acompanhar o crescimento dos filhos e de viver tudo que a vida nos proporciona por falta de tempo.

Muitas e muitas vezes fico admirando da janela do ônibus os dias lindos que fazem aqui. Por que as manhãs são tão belas? Por que não posso aproveitá-la? Muitas vezes me dá uma tristeza imensa ver a luz do sol duas vezes por semana. Nos dias úteis, passamos em torno de 10 horas presos em um escritório (contem aí hora de almoço).

Pra quê? Pra que trabalhar, pagar as contas, continuar trabalhando e continuar pagando contas eternamente? E quando a gente vai curtir a vida? Na terceira idade? Quando já não mais teremos a vitalidade dos vinte e poucos anos?

É aquela velha história: Quando se é jovem, se tem tempo e disposição, mas nos falta dinheiro. Quando amadurecemos, temos disposição e dinheiro, mas o tempo sumiu. Na terceira idade, temos tempo e dinheiro!!! Mas, e a vitalidade da juventude? Se foi com os nossos anos de trabalho árduo! Admiro muito os velhinhos extremamente ativos que tenho visto nos últimos anos!! Espero ser assim quando crescer... Aí terei: Tempo, dinheiro e disposição para viver tudo o que puder!

Preciso me apaixonar por uma profissão. Urgente!

Encerro esse post pirata por aqui pois estou no trabalho.
Beijinho, beijinho, xau, xau!

sexta-feira, 15 de maio de 2009

E não esqueça: O bafômetro é para SOPRAR! Entendeu?

video


Bebam com moderação! Caso não, filmem e me mandem por E-mail! Sempre rende boas risadas!

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Pra que escrever tanto???

No fundo, no fundo, todo blogueiro já se perguntou alguma vez na vida para que ele escreve em um blog. Eu já me perguntei isso e a resposta veio feio feito jato: Por necessidade! Seja ela por estarmos tristes, felizes, comediantes, irritados, críticos, ácidos, emocionados ou qualquer outro sentimento que nos faça sentir uma vontade imensa de escrever.

Escrevo por gostar muito de fazer isso desde que aprendi a fazer redações na 5ª série, aos 11 anos. Até então, nada tinha muita seriedade. Mas, não sei por qual motivo, sempre fui apaixonada por redação. Era a matéria mais odiada por mais da metade da sala e eu, a louca, sempre gostei muito. E não faço idéia do motivo.

Chegada a época do vestibular, e sem ter a mínima idéia do que fazer, fiquei em um dilema existencial...(altamente dramática essa nomeclatura, mas realmente foi difícil): Turismo ou jornalismo?

Acabei colocando os pós e os contras juntos e descobri que a diferença entre os dois era apenas uma materia na segunda fase: Seria literatura para jornalismo ou geografia para turismo. Me lembrei do quanto amo viajar, do quanto sempre quis ser poliglota e de como eu sempre gostei de geografia.

Foi turismo a escolha! O histórico de notas no vestibular era bem mediano e eu estava bem confiante! Só que... todo mundo pensou igual a mim e naquele ano, a nota e a concorrência pipocaram aos céus! Com a minha nota eu teria passado tranquila em todos os anos anteriores... menos naquele! :(

Enfim, hoje sou administradora. Existe ser mais conflitante do que eu??? Consegui explicar o motivo de ter um blog???

quinta-feira, 7 de maio de 2009

E "X" o que é que é? É XUXA!

Quem nunca foi fã dela? Podem falar o que for... ela pode ter o passado que for... Quando éramos crianças, não pensávamos nisso...

Eu tinha todos os discos... eu ficava eufórica só em ver essa nave descendo, com toda aquela fumaça ao redor e já ficava louca de felicidade!!!!



E os discos de vinil? Eu tinha t-o-d-o-s!!! Cantava todos pela casa e, ao contrário de 99% das outras meninas, nunca quis ser paquita! Eu queria ser a própria Xuxa!
Lembram do disco do Karaokê ou do Xegundo Xou da Xuxa?


Tinha o disco três: Esse teve o grande sucesso ilariê!!!!!

ô ô ô !!!



O número quatro tinha tindolelê!!!!

Nheco nheco xique xique balancê!


O cinco tinha a linda " Lua de Cristal"... essa não tem santo que não conheça!


O seis tinha a dança do côco... não sei porque ela não era muito famosa... eu AMAVA!

" Côco, a dança que balança côco... a dança da alegria côco... eu quero ver você dançar!!!"



Desse em diante, a medernidade inundou nossas vidas e a minha já era uma fita K7!!! Chique hein?

Esse eu também tinha, mas já não lembro muito pq já estava mais velhinha...


Mas...

"só quero boa notícia... me contem boas notíciasssss"


Ai ai... como erámos felizes com ela!!